Por tratarmos diariamente de um número expressivo de mulheres portadoras de endometriose, decidimos construir este site para que as pessoas, portadoras ou não, possam ter mais informações a respeito desta que é uma das mais intrigantes e enigmáticas doenças do corpo humano.
 

QUADRO CLÍNICO

A endometriose pode ser superficial ou profunda. Diz-se que ela é superficial quando o foco penetra menos do que 5 mm no órgão afetado. Quando a penetração for maior é chamada de endometriose profunda (endometrioma de ovário, endometriose do septo reto-vaginal, etc.).

O quadro clínico depende fundamentalmente da localização, da quantidade dos focos, do tipo de endometriose e de outros fatores ainda desconhecidos.

É freqüente existir uma incoerência entre sintomas e o estádio da doença, ou seja, encontrarmos quadros avançados com muitos focos e pouco ou quase nenhum sintoma, assim como quadros iniciais com apenas um ou poucos focos que provocam dores lancinantes durante e fora das menstruações.

Como já foi citado, o sintoma mais comum é a dor pélvica que geralmente se manifesta como cólica menstrual, aparecendo meses ou anos após a menarca (primeira menstruação). Nas primeiras vezes coincide com a menstruação, mas depois passa a não ter mais relação com a mesma.

O segundo sintoma mais comum é a dispareunia (dor durante a relação sexual) que via de regra aparece em posições em que a penetração é mais profunda. Pode ser progressiva e impossibilitar a vida sexual levando muitos relacionamentos a um profundo desgaste quando não à ruptura.

Dor às evacuações e eventualmente sangramento anal durante o período menstrual também podem levar à suspeita clínica, apesar deste segundo sinal ser menos freqüente.

O surgimento de disúria (ardor ao urinar) eventualmente acompanhada ou não de sangramento, também na época da menstruação, pode ser mais um fato que leva à suspeita da presença da doença.

Infertilidade é um outro elemento que muitas vezes a acompanha, não sendo raros os casos em que o diagnóstico de endometriose é realizado a partir da pesquisa da infertilidade, na medida em que estas mulheres podem não ter quadro doloroso.

A irregularidade menstrual é outro sinal encontrado nas mulheres portadoras de endometriose. Pode se manifestar através de sangramentos fora da menstruação (freqüentemente dias antes) e/ou com alteração na quantidade de fluxo, que geralmente aumenta.

Uma outra manifestação presente em algumas mulheres é a dor acentuada durante o período ovulatório.

Todos estes sinais e sintomas podem existir ou não, podem aparecer isolados ou associados e se manifestarem nas mais diversas freqüência e intensidade. Também surgem inexplicavelmente em determinadas épocas, desaparecem, e depois podem retornar mais intensos.

Por fim, vale a pena lembrar que cerca de 30% das mulheres com endometriose são absolutamente assintomáticas.


 

Dr. Marco Antonio Lenci
CREMESP 37.845
Dr. Reginaldo Guedes Coelho Lopes
CREMESP 22.980


CONTATE-NOS PELO SITE: